BLOG

Categorias

Gestão
Gestão de Custo
Outros
Processos
Redução de Custos e Despesas
Rentabilidade e Lucratividade

Você sabe calcular seu patrimônio líquido? Aprenda aqui!

Empresários e gestores precisam ter um amplo conhecimento a respeito de indicadores úteis para avaliar a performance de seus negócios. Entre esses conhecimentos, saber como calcular o patrimônio líquido tem destaque.

A partir desses dados, é possível verificar informações importantes, como a capacidade que uma organização tem de honrar seus compromissos. Os indicadores também abrem espaço para que sejam feitas comparações entre duas ou mais empresas de um mesmo setor, o que torna possível identificar a mais produtiva entre elas.

Portanto, não é exagero afirmar que é fundamental para gestores e empresários saber auferir o patrimônio líquido de suas empresas. Continue lendo e descubra como realizar esse cálculo!

Afinal, o que é o patrimônio líquido?

Tudo o que sua empresa possui é patrimônio, não é mesmo? Equipamentos de informática, frota de veículos, saldo em contas bancárias, aplicações financeiras, imóveis etc. Se por uma razão qualquer você decidisse encerrar as atividades de seu empreendimento, o patrimônio de sua empresa seria capaz de pagar as dívidas da mesma? Essa é a resposta que o cálculo do patrimônio líquido nos oferece.

Logicamente, nenhum negócio tem como objetivo encerrar suas atividades. Todo empreendimento trabalha adquirindo dívidas que estimulam suas atividades, gerando ativos que pagam as dívidas adquiridas. Mesmo assim é muito importante saber o valor desse cálculo, pois o patrimônio líquido é um indicador da saúde financeira da empresa.

Um patrimônio líquido negativo pode sugerir aos sócios que aquele não é o momento certo de a empresa realizar investimentos, por exemplo ― sendo prioritário, naquele período, aplicar estratégias que visem à economia de recursos.

Como calcular o patrimônio líquido?

O patrimônio líquido é o resultado da seguinte conta: ativos — passivos. Os ativos estão localizados do lado esquerdo do balanço patrimonial, representando todos os direitos que a empresa tem a receber.

À direita do balanço patrimonial estão os passivos, que revelam os valores das dívidas e obrigações da empresa. Nessa conta entram diversas quantias, como folha de pagamento de colaboradores, financiamentos, empréstimos, fornecedores etc.

Um balanço patrimonial que apresenta como valor de patrimônio líquido o montante de R$ 100 mil indica que, se a empresa encerrasse suas atividades naquele momento, o empreendedor pagaria todas as dívidas e ainda sairia do negócio com esse valor.

Como o patrimônio líquido indica a saúde financeira da empresa, está entre os fatores que influenciam bancos a conceder, ou não, empréstimos ao negócio. Essa seria mais uma razão para focar em um resultado positivo, afinal, a empresa poderá perder acesso às linhas de crédito se o resultado do patrimônio líquido for muito negativo. Isso pode comprometer seu crescimento.

Fornecedores também podem repensar a parceria caso o balanço patrimonial indique que a empresa já obteve muitas dívidas. Não é regra, mas é possível. Esse cálculo é indicado pelos contadores como uma das informações fundamentais de análise na hora de ler um balanço patrimonial.

Como acompanhar o patrimônio líquido?

O melhor meio para observar informações sobre qualquer área de uma empresa de forma precisa é ter acesso às suas demonstrações contábeis. A mesma regra se aplica ao patrimônio líquido. É possível observar suas movimentações por meio de uma demonstração de mutação do patrimônio líquido, também conhecida como DMPL.

A DMPL nada mais é do que um relatório elaborado com base em todas as mutações efetuadas no patrimônio líquido de uma empresa, em um período preestabelecido.

O objetivo do relatório é fornecer ao gestor informações seguras a respeito da saúde financeira de sua empresa. Com base nelas, ele pode verificar quais medidas deve adotar no próximo exercício social e, até mesmo, avaliar se há alguma ação de caráter emergencial. Graças a essa agilidade, problemas podem ser identificados e resolvidos com maior facilidade.

Considerando a importância da demonstração contábil, é fundamental que ela seja elaborada com cuidado, de modo que possa expressar, de forma clara, todas as entradas e saídas de capital no caixa da empresa.

Uma vez que a demonstração de mutação do patrimônio líquido visa mensurar todas as alterações financeiras pelas quais ele passa, existe uma série de informações que não devem ser deixadas de lado no momento de sua elaboração. Entre essas informações, podemos citar:

  • aumento ou diminuição de reservas financeiras;
  • área em que os resultados apurados no período foram aplicados;
  • equiparação dos prejuízos auferidos;
  • maneira como o lucro líquido do exercício social foi utilizado.

Como comprovar a rentabilidade de uma empresa?

Tão importante quanto saber como calcular o patrimônio líquido de uma empresa é ter os conhecimentos necessários para avaliá-lo e, a partir deles, verificar se a empresa em questão tem tido ou não um desempenho satisfatório. Para que uma verificação eficaz seja feita nesse sentido, o uso do ROE, ou (Return On Equity), é recomendado. Entenda!

Return on equity (ROE)

O ROE é uma metodologia criada com a finalidade de mensurar a rentabilidade de empresas, com base em seu patrimônio líquido. A ideia por trás dela é simples: ela se resume à premissa de que, quanto menor o capital utilizado por um negócio para auferir lucro, mais eficiente ele é.

Portanto, com base no ROE é possível colocar lado a lado duas ou mais empresas e, utilizando o método, definir qual apresenta o melhor retorno sobre o patrimônio líquido. Ele também é útil para que gestores avaliem se suas organizações são de fato rentáveis.

Como calcular o ROE

O cálculo do Return On Equity é simples, ele se resume em apurar o lucro líquido da empresa em seu último exercício social e o dividir pelo patrimônio líquido acumulado no mesmo período. Esses dados podem ser verificados no balanço da instituição ou calculados levando em consideração a média de seus últimos 12 meses.

Embora a eficiência do ROE seja evidente, ele não deve ser o único indicador usado por um empresário ou gestor na hora de avaliar a companhia que administra. Fazer uso de outros métodos e sistemas é fundamental para que um panorama realista do negócio seja visualizado.

Além disso, usar a metodologia para comparar empresas que atuem em campos diferentes pode afetar a precisão com que os dados são apresentados. Isso porque, uma vez que estão inseridas em áreas diferentes, essas empresas terão gastos e resultados distintos, o que significa que não podem ser avaliadas com as mesmas métricas.

Ao avaliar o patrimônio líquido de uma empresa, o gestor tem acesso a um poderoso indicador de sua situação financeira. Caso a informação esteja incorreta, ou se ela for mal interpretada, a organização em questão vai enfrentar problemas e pode até mesmo ir à falência.

Levando em consideração a importância desse dado, e o peso que ele tem sobre a saúde financeira de companhias e instituições, fica óbvio que deve ser observado com muito cuidado e atenção.

O que são e como funcionam as contas retificadoras do patrimônio líquido?

Outro ponto tão importante quanto saber como calcular o patrimônio líquido, é entender a respeito das contas retificadoras. Elas são fundamentais para os acionistas terem acesso aos dados corretos acerca de um negócio, como o lucro bruto.

Basicamente, elas são um grupo de contas usadas com o objetivo de ajustar o saldo de um mesmo grupo de contas no balanço patrimonial. Por isso, nesse momento, é importante saber como calcular o patrimônio líquido. Essas contas podem estar inseridas tanto no passivo, quanto no ativo ou, ainda, direto no patrimônio da organização.

Geralmente, as contas retificadoras são também chamadas de contas redutoras. Isso acontece porque elas afetam o saldo do grupo no qual estão inseridas, diminuindo-o. Portanto, quando o valor dessa conta aumenta, o total do valor onde ela está agrupada diminui. A seguir, veja quais são as contas redutoras mais recorrentes.

Provisão para créditos de liquidação duvidosa (PCLD)

Esse modelo de conta está entre as contas retificadoras do ativo circulante. Ela refere-se à inadimplência, que é muito comum em casos de venda a prazo. Nesse sentido, a PCLD foi criada com o objetivo de incluir esse valor, que a empresa tomou prejuízo, de maneira onerosa em seus resultados.

Assim, ela se opõe ao campo de contas a receber e, a partir da sua soma, é possível gerar o saldo líquido do ativo circulante.

Depreciação acumulada

Essa conta está entre os ativos permanentes de uma empresa. Basicamente, seu papel é calcular a perda de valor de um bem, resultante do desgaste pelo uso, obsolescência normal ou ação da natureza. Geralmente, ela inclui imóveis e maquinários.

Sendo assim, a depreciação é o registro da perda de materiais da organização. Ela ocorre apenas nos bens classificados no ativo imobilizado e nos bens de renda no grupo de investimentos ou ativo não circulante.

Contas redutoras de patrimônio

Para entender como calcular o patrimônio líquido, é importante conhecer as contas redutoras do patrimônio. Entre elas está a capital a integralizar e a duplicata descontada.

A primeira, consta os valores que serão pagos pelos sócios da empresa para a própria organização. Já a segunda — que é uma conta redutora do passivo —, possui um saldo credor. Por isso, o valor da duplicata pago pelo devedor constará no saldo do negócio. Assim, seu aumento diminui as contas de despesas do empreendimento.

Como funcionam os ajustes na avaliação patrimonial?

Esse ajuste compõe o grupo de contas que formam o patrimônio líquido. Por isso, é fundamental compreendê-lo de modo a entender como calcular o patrimônio líquido da sua empresa. Esse ajuste diz respeito ao resultado da avaliação dos bens comparado com seu valor justo.

Seu intuito é garantir que a estipulação do valor justo possa ocorrer de forma que os elementos que impulsionam a liquidação da transação não interfiram no resultado final do valor.

Portanto, os Ajustes de Avaliação Patrimonial são os resultados da diminuição ou aumento dos componentes do ativo, ou do passivo — que não foram acrescentados ao cálculo do exercício, por conta da reavaliação.

Após entender como calcular o patrimônio líquido, como acompanhá-lo, o que são as contas retificadoras e como funcionam os ajustes na avaliação patrimonial, é possível usar seus resultados para mensurar a saúde financeira do seu negócio. Assim, você garante um futuro financeiro seguro, já que esse cálculo mostra a real situação de uma empresa. Além disso, ele é bastante útil para realizar o planejamento de investimentos futuros.

Achou este artigo interessante? Se deseja ler mais informações como essa, curta nossa página no LinkedIn e fique por dentro das nossas atualizações!