BLOG

Categorias

Gestão
Gestão de Custo
Outros
Processos
Redução de Custos e Despesas
Rentabilidade e Lucratividade

Como fazer uma boa gestão de escala em hospitais por meio de 3 dicas?

Alguns setores da economia, sobretudo os relacionados à saúde, como os hospitais, precisam funcionar em tempo integral para atender às necessidades da população. Nesse cenário, para que todos os serviços funcionem adequadamente e nenhum funcionário da instituição fique sobrecarregado, é fundamental que os diretores consigam fazer uma boa gestão de escala.

A gestão de escala nada mais é do que o gerenciamento das escalas de trabalho dos funcionários de cada equipe, de modo a garantir que a prestação dos serviços não seja afetada por falta de colaboradores. Desse modo, ela também é importante porque possibilita aos gestores o remanejamento eficiente de profissionais (por exemplo, quando alguém não pôde comparecer ao serviço), de modo a garantir o perfeito funcionamento de todos os setores da instituição 24 horas por dia.

Mas, afinal, você sabe como fazer uma gestão de escalas eficiente? Confira 3 dicas neste post que preparamos para você!

1. Escolha o tipo de escala

Antes de definir como vai ser a escala, é importante lembrar que a jornada de trabalho de qualquer profissional precisa respeitar as normas trabalhistas. Vale lembrar que isso é importante não apenas para evitar sanções para a instituição, mas também para garantir que os funcionários não sejam submetidos a jornadas de trabalho exaustivas.

Diante disso, é importante conhecer as normas legais afetas ao tema e, claro, a realidade e o perfil da instituição. No geral, como funcionam em tempo integral todos os dias da semana, os hospitais adotam escalas de trabalho por revezamento. Os tipos de escala mais comuns são:

  • escala 12 por 36: a cada 12 horas ininterruptas de trabalho, o profissional folga 36 horas;
  • escala 5 por 1: a cada 5 dias de trabalho, o colaborador tem 1 dia de folga;
  • escala 5 por 2: a cada 5 dias de trabalho, o colaborador tem 2 dias de folga;
  • escala 6 por 1: a cada 06 dias de trabalho, o profissional tem 1 dia de folga.

Cabe ressaltar que, independentemente do modelo de escala adotado, é importante observar todas as disposições legais que lhe são aplicáveis, sobretudo no que tange ao limite de horas diárias de trabalho e a frequência com que as folgas de cada funcionário devem coincidir com o domingo. Por isso, é importante ter o controle de tudo.

2. Planeje a escala com antecedência

Além de definir o tipo de jornada a ser adotado, é muito importante fazer o planejamento da escala de trabalho com antecedência, delimitando o dia de trabalho e o dia de folga de cada colaborador. Afinal, além de afetar a organização pessoal dos funcionários, fazer a escala de última hora não é nada fácil.

Desse modo, o ideal é que a escala de trabalho seja feita ao menos mensalmente. Assim que o planejamento mensal for feito, os funcionários devem ser informados sobre seus dias de trabalho e respectivas folgas. Com isso, você consegue reduzir a probabilidade de eventuais faltas, comuns quando a escala é feita de última hora.

3. Automatize a gestão

No geral, o número de funcionários de um hospital é elevado, o que torna ainda mais complexo o planejamento da escala de trabalho. Por isso, fazê-lo de forma manual, contando apenas com tabelas ou planilhas impressas, não é nada eficaz. Além disso, essa forma de planejamento é suscetível a erros, o que pode ocasionar muitas dores de cabeça aos gestores.

Nesse cenário, para fazer a gestão de escalas de forma eficiente é fundamental contar com o auxílio de ferramentas tecnológicas, como softwares de gestão. Além de automatizar o planejamento da escala, tornando-o mais eficiente e assertivo, os softwares de gestão permitem que você tenha um controle efetivo sobre as horas de trabalho e as folgas de cada funcionário.

Seguindo essas dicas, certamente você conseguirá fazer uma gestão de escala eficiente no hospital e, consequentemente, garantir o bom funcionamento da instituição. Afinal, o mau gerenciamento da escala pode levar a sobrecarga de trabalho, a interrupção de serviços, a queda de qualidade do atendimento e, até mesmo, a perda de clientes, afetando os resultados da instituição como um todo.

Agora que você já sabe como fazer uma gestão de escala, compartilhe nosso post em suas redes sociais e ajude outros gestores a ficarem por dentro do assunto!