BLOG

Categorias

Gestão
Gestão de Custo
Outros
Processos
Redução de Custos e Despesas
Rentabilidade e Lucratividade

Entenda as diferenças entre fluxo de caixa direto e indireto

Nos dias atuais, um dos principais objetivos dos empreendedores é garantir o desenvolvimento e a sustentabilidade da sua empresa. Para assegurar isso, muitos optam por investir no aprimoramento de sua gestão juntamente ao uso de tecnologias no meio corporativo. Nesse sentido, não podemos deixar de acrescentar o papel da gestão financeira, já que essa área é uma das principais responsáveis por garantir a estabilidade do negócio.

Caso não seja realizada de maneira estratégica, pode ocorrer o desequilíbrio das finanças acarretando a estagnação do negócio. Para evitar isso, é fundamental que os gestores saibam todos os temas referentes ao setor financeiro. Podemos citar como um dos itens essenciais para uma boa organização deste departamento o fluxo de caixa direto e indireto.

Caso você não tenha ideia do que é cada conceito, preparamos este artigo para você. Continue a leitura e fique por dentro de tudo!

O que é fluxo de caixa direto?

O fluxo de caixa direto nada mais é que o registro de todos os valores, sejam eles pagamentos ou recebimentos da empresa, que foram movimentados em um determinado período. Com ele consegue-se identificar de forma real os resultados brutos do negócio.

Nele é utilizado o regime de caixa que pode ser apontado como o mais comum atualmente. Como principal benefício podemos destacar que o fluxo de caixa direto permite obter dados e informações rapidamente atualizados que são bastante úteis para o trabalho dos gestores financeiros.

O que é fluxo de caixa indireto?

O fluxo de caixa indireto é fundamentado pela análise do lucro líquido, sendo mensurado os impactos no fluxo de caixa. Desse modo, diferentemente do fluxo de caixa direto, ele não oferece uma visão de entrada e saída, pois nesse caso é trabalhado utilizando um regime de competência.

Na prática, a ideia principal é estudar a variação de caixa de um determinado período tendo um ponto de vista contábil. Dessa forma, é possível distinguir o caixa real do saldo das demonstrações contábeis.

Qual a melhor opção para a empresa?

Quanto à definição de qual método utilizar na sua empresa, vale salientar que não necessariamente deve haver uma exclusão de um ou outro. Na verdade, os dois se complementam para gerar informações pertinentes sobre o controle das finanças do seu negócio.

Por meio deles os gestores são capazes de compreender melhor fatores como receita, lucro líquido e bruto, custos e despesas e vários outros temas que se relacionam com o departamento financeiro.

Vale pontuar que se a sua intenção é obter maior controle e clareza sobre esses processos, além de utilizar essas metodologias é fundamental contar com a ajuda de um sistema de gestão. Por meio desse recurso, você é capaz de centralizar dados e informações sobre os setores da empresa, bem como gerenciar as operações de vendas e despesas da instituição.

Portanto, essas foram as principais informações acerca da diferença entre o fluxo de caixa direto e indireto. Ter noção de temas como esse contribui bastante para otimizar o trabalho de gestão financeira, além de possibilitar maior controle destes processos.

Gostou do artigo? Então confira nosso perfil no LinkedIn e fique ligado em todas as nossas atualizações!